home / notícias / 10 Proposições para simplificação do ICMS

COMPARTILHAR

10 Proposições para simplificação do ICMS

10 Proposições para simplificação do ICMS (Plano 10)

1. O ICMS incidirá sobre toda e qualquer operação com mercadorias ou utilidades produzidas no país, independente de sua origem ou destino, ou importada do exterior com uma única alíquota de 10% (dez por cento), cobrado "por fora";
2. As operações e prestações com combustíveis, energia elétrica e comunicações serão tributadas, também, com um adicional de imposto de 10% (dez por cento), ou seja, 10% + 10%;
3. A exportação de mercadorias não industrializadas será tributada com a alíquota de 10% (dez por cento);
4. O imposto não incidirá nas prestações de serviços de transportes de mercadorias que forem realizadas com informação, para o fisco, das prestações realizadas.
5. É vedada qualquer restrição ao uso crédito fiscal regularmente escriturado.
6. É vedada toda e qualquer desoneração do ICMS (isenções, reduções de base de cálculo, créditos outorgados etc) de ICMS em operações interestaduais;
7. Em todas as operações e prestações entre contribuintes, exceto nas operações e prestações realizadas pelas microempresas, será emitida nota fiscal eletrônica;
8. Na tributação da microempresa, todo o imposto cobrado na operação final será devolvido – em dinheiro – ao comerciante, mediante a comprovação do recebimento da mercadoria através de nota fiscal eletrônica;
9. O novo ICMS entrará em vigor em janeiro de 2011;
10. As atuais desonerações serão extintas no prazo de 10 anos, a contar da entrada em vigor do novo ICMS.

Justificação:
O Plano 10 é uma proposta, factível, de reforma da legislação de regência do principal imposto estadual – o ICMS, que busca atender a uma demanda nacional, antiga, e já premente, para a simplificação do sistema tributário nacional, do qual o ICMS é um dos principais componentes. Como o nome indica, o plano se baseia em 10 diretivas que traduzem um modelo de imposto grandemente simplificado, apesar de aplicar-se a operações de alta complexidade, como o são as operações comerciais no mundo moderno.
A primeira diretiva é a de que o imposto deve ter uma única alíquota, aplicada universalmente, a toda e qualquer operação ou prestação de serviços de comunicação. Assim, tanto as operações com a utilidade industrial ou comercial energia elétrica, quanto as prestações onerosas de serviços de comunicação, tais como aquelas prestadas em "outdoors", ou nos classificados de jornais e periódicos ou, também, por meio de ondas; tanto as operações com mercadorias destinadas à revenda, quanto as operações com bens destinados ao consumo final, todas serão tributadas alíquota de 10% (dez por cento), não inclusa no preço final, ou global, da mercadoria ou serviço
A adoção de uma alíquota uniforme, cobrada por fora, atende a vários desígnios. Primeiro porque o seu cálculo, por qualquer pessoa envolvida no processo de comercialização, em qualquer operação ou prestação, se fará pelo simples deslocamento, para a esquerda, da vírgula que separa os centavos do preço cobrado. Segundo, porque sendo uniforme em todo o País, não haverá interesse de simulação do destino geográfico (desvio) das mercadorias, para fins de sonegação fiscal, Por fim, porque, sendo cobrada por fora, cada cidadão poderá conferir, até mentalmente, quanto de imposto lhe estará sendo exigido em cada operação de compra de qualquer bem ou serviço.
A segunda proposição, de que as operações e prestações com combustíveis, energia elétrica e comunicações serão também tributadas com um adicional de imposto de 10% (dez por cento), resulta do fato de que as referidas sub-bases tributáveis do ICMS representam hoje cerca de 50% do receita tributária dos Estados e que a sua oneração em apenas 10% (alíquota universal) não propiciaria o adequado financiamento do Estado. Assim, além da incidência da alíquota universal, incidirá sobre as operações e prestações no âmbito dessas sub-bases um adicional de 10% (dez por cento), para manter a receita tributária no nível necessário para provimento de recursos aos tesouros estaduais nos níveis exigidos pelas necessidades públicas. A fixação em 10% (dez por cento) tem o mesmo propósito de simplificação. Mas, por se tratar de segmentos com pequeno número de contribuintes (ou de responsáveis tributários: petrolíferas, geradoras de energia, conglomerados de comunicações etc.), caso esse percentual se revele insuficiente, ele poderá ser alterado para mais sem que isso afete as operações dos demais quase 100% dos contribuintes. Outras sub-bases, como fumo, bebidas e artigos de luxo poderão ser acrescidas ao adicional sobre base selecionadas, se isso for necessário para manutenção do fluxo de recursos dos Tesouros Estaduais
O adicional de 10% sobre combustíveis e energia elétrica poderá ser gradativamente reduzido, na medida em que a adoção da alíquota universal de 10% for suficiente para atender às necessidades dos tesouros estaduais. Com isso, se poderá sinalizar para o mercado com a redução dos custos dos insumos que representam esses dois importantes agregados econômicos. A redução de custos implicará em aumento da competitividade da empresa nacional e, via de conseqüência, na possibilidade de aumento de sua lucratividade.
Não é segredo para a nação que a famigerada lei Kandir, supostamente benéfica ao País, vem empobrecendo o parque industrial brasileiro, incentivando a venda de insumos não processados, como a soja, em lugar do óleo de soja, do couro, em lugar do sapato etc, gerando emprego e renda no Exterior. Por isso a terceira proposição é a de que a exportação de mercadorias não industrializadas, que não adiciona valor à produção agrícola e mineral, será tributada com a alíquota de 10% (dez por cento). Com isso pretende-se manter a desoneração das exportações de produtos industrializados, estimulando a agregação de valor, com geração de emprego e renda no território nacional.
A quarta diretiva, de que o imposto não incidirá nas prestações de serviços de transportes de carga de mercadorias, objetiva propiciar menores obstruções na circulação de mercadorias, sem perda do imposto, pois esse incidirá na operação subseqüente. A exigência de transparência nas prestações de serviços de transportes de carga perante o fisco atende à necessidade de combate à sonegação fiscal. Não se aplicará essa proposição no transporte de bens destinados ao consumo final, em especial sobre as prestações de serviços transporte de bens pelas prestadoras de serviço postal.
A sexta medida proposta, de vedar-se toda e qualquer desoneração do ICMS (isenções, reduções de base de cálculo, créditos outorgados etc) de ICMS em operações interestaduais, busca atender aos objetivos da disposição do art. 155, § 2o, inciso XII, alínea g e da Lei Complementar no 24, de 1975, ou seja, eliminar a competição fiscal com perda de neutralidade do imposto sobre as decisões locacionais do investidor privado ("guerra fiscal") mas preserva a prerrogativa dos governos estaduais de promoverem a desoneração nas operações internas, quando assim o exigirem os interesses estaduais.
A proposição que veda qualquer restrição ao uso do crédito fiscal regularmente escriturado, busca cumprir o comando constitucional de não cumulatividade do imposto. Além disso pretende-se eliminar grande parte das discussões administrativas e judiciais entre os Estados e os contribuintes.
A exigência de que em todas as operações e prestações entre contribuintes, exceto nas operações e prestações realizadas pelas microempresas, seja emitida nota fiscal eletrônica, atende à necessidade de combate à informalidade fraudulenta e à sonegação fiscal. Essa providência viabilizará a formação de bases de dados confiáveis para a fiscalização tributária e para fins estatísticos, com vistas à partilha de receitas entre os entes políticos, União, Estados e Distrito Federal e seus Municípios.
Na tributação da microempresa, todo o imposto cobrado relativo à operação final será devolvido – em dinheiro – ao comerciante, mediante a comprovação do recebimento da mercadoria através de nota fiscal eletrônica. Esta proposição objetiva substituir a isenção das microempresas, pela desoneração retroativa (devolução) do imposto incidente nas operações por elas praticadas. Para isso o imposto pago pelo microempresário ou antecipadamente retido nas operações destinadas às microempresas serão devolvidos ao microempresário que entregar ao Fisco arquivo magnético contendo o registro das Notas Fiscais com as operações a elas destinadas. Com essa base de dados, o Fisco fará a verificação de que o imposto foi efetivamente pago ou recolhido aos tesouros estaduais, depois do que fará a devolução incidente na última fase de comercialização, realizada pelo estabelecimento do microempresário. Assim, o microempresário ajuda o Estado a combater a sonegação fiscal.
Nas duas últimas proposições prevê-se que o novo ICMS entrará em vigor em 1o de janeiro de 2011 e que as atuais desonerações serão extintas no prazo de 10 anos, a contar da entrada em vigor do novo ICMS. Embora o prazo de 10 anos possa parecer curto para extinguir todas as desonerações, parte-se do pressuposto de que o novo sistema trará tantas vantagens que os contribuintes preferirão atender à essa disposição do novo imposto.

COMPARTILHAR

Sem comentários

Deixe o seu comentário!

Av. Tancredo Neves, 2227, ED. Salvador Prime Torre Work, sl 515 Caminho das Árvores, Salvador - BA, CEP 41820-021

(71) 4062-7013 / (71) 2132-9568 / (71) 3052-4414 (71) 98421-6729

FECHAR